Arquivos do Blog

Encontro das Entidades Organizadoras de Eventos promoverá fortalecimento da integração regional.

Encontro das Entidades Organizadoras de Eventos promoverá fortalecimento da integração regional.Em razão da sequência de grandes eventos programados para o Brasil nos próximos anos, os olhos do mundo estão sobre o país e a América Latina.

Da Redação

O setor de turismo de eventos do continente tem uma oportunidade única na História para mostrar que está capacitado e tem infraestrutura para aumentar sua fatia no mercado de eventos internacionais, que realiza cerca de 10 mil eventos por ano. O assunto foi debatido no Encontro das Entidades Organizadoras de Eventos da América Latina, realizado na terça-feira (16/10), no Centro de Convenções SulAmérica, no Rio de Janeiro.

“Precisamos desenvolver estratégias de integração para desenvolvimento e fortalecimento do mercado latino-americano de eventos”, analisa a presidente da ABEOC Brasil, Anita Pires. “A capacitação é uma questão fundamental para todos os países da região e a ABEOC está dando um passo importante neste sentido com o projeto do Selo de Qualidade ABEOC, uma parceria com o Sebrae Nacional para certificação de empresas de eventos”, acrescenta Anita, anfitriã do encontro que contou também com a participação na mesa da presidente da COCAL – Federação de Entidades Organizadoras de Congressos e Afins da América Latina, Bertha Garcia; do Assessor da presidência da EMBRATUR, Walter Ferreira; do assessor de turismo da CNC – Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo, Leonardo Fonseca; da presidente da AUDOCA – Associação Uruguaia de Organizadores de Congressos, Feiras, Exposições e Afins, Graciela Sánchez; do presidente da AOCA – Associação Argentina de Organizadores e Provedores de Exposições e Congressos, Pablo Weil e do diretor dee marketing da RioTur, Paulo Villela.

Segundo Bertha Garcia, o Brasil como potência no setor de eventos enriquece toda a região. “As belezas naturais nos complementam, mas temos que ser destinos capacitados, preparados e competitivos frente a outros mercados”, afirma a presidente da COCAL, que tem entre seus objetivos promover a América Latina como destino de eventos.

Para o representante da CNC, Leonardo Fonseca, apenas através da capacitação é possível desenvolver o turismo. “E esta é uma responsabilidade não só do governo, mas do empresariado também, que precisa tornar as empresas mais competitivas”, comenta, destacando que o “braço” de capacitação da CNC é SENAC, onde o setor de turismo e hospitalidade é o mais forte.

Fonseca ressaltou também a importância do setor de eventos na economia brasileira. “A maior fatia econômica do turismo é do segmento de turismo de negócios, que responde por 60% das receitas do turismo”, informa.

VISIBILIDADE MUNDIAL

O assessor da presidência da EMBRATUR, Walter Ferreira, citou que os latino-americanos representam 50% dos turistas estrangeiros que o Brasil recebe. “A América Latina é fundamental para o nosso país. Para atingir a meta do Plano Aquarela, de 10 milhões de turistas estrangeiros em 2020, esta proporção tem que subir para 60%”. Atualmente o principal emissor de turistas estrangeiros é a Argentina, e ainda Chile e Uruguai estão entre os quatro primeiros. “Os megaeventos ajudam a promover o país pela exposição da imagem, e nosso desafio é explorar esta exposição para o Brasil ser mais querido e gerar mais interesse”, complementa. Por outro lado, os países vizinhos também devem se beneficiar com a visibilidade mundial do Brasil. “O turista que vem ao país para a Copa e os Jogos Olímpicos, por exemplo, tem a chance de visitar também o Chile, o Peru e outros países próximos”, pondera Bertha Garcia.

A presidente da Audoca, do Uruguai, Graciela Sanches, salientou que os 17 países membros da Cocal devem aproveitar o momento histórico para trabalhar em equipe a fim de captar mais eventos para o continente. “Qual será o legado dos megaeventos é responsabilidade de todos, não só do governo do Brasil”, analisa.

De acordo com o presidente da AOCA, da Argentina, Pablo Weil, o idioma diferente não é uma barreira para a integração continental, visto que temos muito mais questões em comum. “E aproveito para convidá-los para o Congresso da Cocal ano que em Mendoza, cujo tema será capacitação e profissionalização”, conclui.

Fonte: ABEOC Brasil e Revista Eventos